Home / Brasil / Campeã no Pan, baiana Rafaelle sonha em repetir feito no Rio-2016

Campeã no Pan, baiana Rafaelle sonha em repetir feito no Rio-2016

As férias de Rafaelle em Salvador terminam hoje. A jogadora se reapresenta amanhã à seleção brasileira de futebol feminino com os pés focados na bola e o coração nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, no próximo ano. “Jogar uma Olimpíada no Brasil é uma oportunidade única. Em casa, com a torcida, com a família e os amigos no estádio. É um estímulo”, festeja a atleta, 24 anos, que fará a primeira participação na competição.

Ela ainda não tem vaga confirmada no Rio-2016, mas é uma das fortes candidatas a vestir a camisa verde e amarela no torneio. A baiana é uma das 27 atletas da equipe permanente da seleção que está treinando em um resort na cidade de Itu, no interior de São Paulo, desde novembro. Apenas 18 serão convocadas.

Rafaelle está com moral, já que foi titular na conquista do ouro nos Jogos Pan-Americanos de Toronto, no Canadá, em julho. A medalha foi colocada no peito após goleada na final por 4×0 contra a Colômbia. Orgulhosa do feito, ela diz que o título foi fundamental para devolver a confiança da equipe, abalada após a eliminação contra a Austrália (1×0) nas oitavas de final da Copa do Mundo, disputada em junho, também no Canadá. O título ficou com os Estados Unidos.

“Nós estávamos um pouco abaladas. Temos essa medalha como incentivo e estímulo para a Olimpíada. Dá uma moral grande. A gente precisava desse ouro para trabalhar focada na Olimpíada, já que agora não temos mais nenhuma competição oficial até lá”.

Lateral-esquerda de ofício revelada pelo técnico Mário Augusto, do São Francisco, Rafaelle ganhou a medalha de ouro no Pan atuando como zagueira. Ela trocou a 6 pela 4 para substituir a capitã Bruna, que se recupera de uma grave lesão no joelho.

Habilidosa e polivalente, encarou a nova posição numa boa. Quando jogou nos Estados Unidos, de 2010 a 2014, a jogadora se divertia atuando como atacante. Nascida em Cipó, o futebol proporcionou a ela uma bolsa na Universidade do Mississippi, em Oxford.

Lá, cursou Engenharia Civil e encantou os estrangeiros com seus dribles. Primeiro, na liga universitária, depois na profissional, defendendo o Houston Dash, time localizado no Texas.

“Lá, o futebol feminino é muito disputado, muito concorrido e tem um apoio imenso. Meu time da faculdade voava de avião particular e tinha um aeroporto. A gente tinha patrocínio, ficávamos nos melhores hotéis e o estádio era lotado todo jogo. Na liga profissional, o salário é bom e o pessoal pede autógrafo”, conta.

Ela só deixou essa realidade para integrar o projeto da seleção brasileira permanente. Escolheu rescindir o pré-contrato com o time americano F.C. Kansas City e retornou ao Brasil, em novembro.

Dilema

Se os pés de Rafaelle estão focados na bola e o coração no Rio-2016, a mente está dividida. A atleta recebeu uma proposta do futebol chinês que tem tirado o sono dela. O contrato seria de um ano, entraria em vigor a partir de 1º de janeiro e ela só seria liberada 20 dias antes dos Jogos Olímpicos, em caso de convocação.

Portanto, teria que deixar a concentração da seleção permanente no final de dezembro. “Se eu for pra lá, vão chamar outra pessoa pra treinar no meu lugar para manter o número de atletas. Então eles vão ter que escolher entre eu, que eles mal vão estar vendo treinar, e essa pessoa que vai estar treinando com eles esse período todo”, explica a zagueira. “É uma decisão difícil e vou conversar com meus treinadores”, avisa.

Antes do Pan, ela também recusou outras duas propostas, uma do futebol norueguês e outra do dinamarquês, porque os contratos a impediriam de disputar o torneio continental.

“Jogando aqui na seleção, eu ganho menos do que eu ganhava nos Estados Unidos, mas ainda dá para se manter bem. Temos todo o acompanhamento e, pelo sonho de representar o país, você abre mão da questão financeira”.

O “problema” é que o clube chinês não economizou na proposta e ofereceu seis vezes mais do que ela recebe na seleção brasileira. “Tô com uma dúvida imensa sobre o que eu faço e ainda estou analisando. A proposta é muito boa. No futebol feminino, não vejo ninguém ganhando salário como esse. Até acho que propostas vão aparecer depois da Olimpíada, mas acho difícil mais do que isso, porque é quase o teto que vejo as meninas ganharem”, disse ela, para depois completar.

“É uma oportunidade muito boa e, numa carreira curta, se não aproveitar, pode se arrepender lá na frente”, afirmou a jogadora, sem revelar o valor da proposta.

Por: Correio

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios *

*

sete + dezesseis =