Home / Destaque / Sem chance de título mundial, Allan do Carmo foca nos Jogos Olímpicos
Campeonato Brasileiro de Maratonas Aquaticas 2014

Sem chance de título mundial, Allan do Carmo foca nos Jogos Olímpicos

Atual campeão da Copa Mundo de Maratona Aquática, o nadador Allan do Carmo chega às duas últimas etapas da temporada já sem chance de ser campeão. Queda de rendimento? Não. Foco nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro.

Com a preparação toda voltada para a Olimpíada, o baiano deixou de disputar quatro das nove etapas já realizadas e nadará na China, dia 11 de outubro, e em Hong Kong, dia 17, só para se preparar melhor para o ano que vem. Em 5º lugar na classificação geral, Allan não tem mais como atingir o mínimo de presença exigido para concorrer ao título.
As provas na Ásia marcarão o fim de uma temporada desgastante, que envolveu seletiva para o Mundial de Kazan e a participação no próprio Mundial, onde Allan foi o único homem brasileiro da maratona aquática classificado para a Olimpíada – Ana Marcela e Poliana Okimoto representarão as mulheres.“A prova em Hong Kong é no mar, uma situação parecida com os Jogos Olímpicos aqui, e na China também. É uma competição com um nível técnico mais forte do que se a gente ficar aqui para nadar o Brasileiro”, diz o nadador, com foco sempre em 16 de agosto de 2016, dia da prova olímpica de 10km em Copacabana.

Descansar, porém, é palavra rara no vocabulário de um atleta de elite. Terminado o circuito, o nadador terá duas semanas de descanso e já começará o próximo ciclo de treinos e competições. “Vou nadar a Mar Grande-Salvador em janeiro, vou fazer dois treinamentos de altitude, um no México e outro nos Estados Unidos, em janeiro e em junho, e fazer também algumas etapas da Copa do Mundo nesse período pra poder avaliar os meus treinamentos em competição”, conta Allan.

Favoritismo 
Ele sabe que não está entre os favoritos a medalha no Rio. Destaca o americano Jordan Wilimovsky, o holandês Ferry Weertman e o grego Spyridon Gianniotis, respectivamente ouro, prata e bronze em Kazan. “São os favoritos, mas na maratona isso varia porque muda a característica, ainda mais que o Mundial foi em um lago e a Olimpíada é no mar”, explica o baiano de 26 anos.

Por: iBahia

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios *

*

dezessete − 1 =