Home / Destaque / Após bronze em Londres, pugilista baiana busca medalha de ouro nos Jogos do Rio

Após bronze em Londres, pugilista baiana busca medalha de ouro nos Jogos do Rio

“O êxtase da minha vida”. Assim Adriana Araújo define como espera que seja o ano de 2016. Medalhista de bronze na Olimpíada de Londres, em 2012, a pugilista baiana está focada em conseguir o ouro no próximo ano durante os Jogos do Rio de Janeiro.

“Estou no ápice da minha carreira e quero muito mudar a cor dessa medalha para dourada”, avisa Adriana, lutadora da categoria leve (até 60kg).

A veterana de 34 anos escreveu o nome na história ao subir no pódio na estreia do boxe feminino nos Jogos Olímpicos – antes de 2012, apenas boxeadores homens disputavam o maior torneio esportivo do planeta. Agora, Adriana quer escrever um capítulo ainda mais vitorioso no Rio.

“O corpo não é mais o mesmo de quando eu tinha 20 anos, mas a experiência e a colocação dos golpes só melhoram”, garante. “A Adriana de 2016 vai estar mais madura, experiente e com vontade redobrada de vencer dentro de casa e mostrar resultado”, diz a atleta nascida em Salvador e criada no bairro de Brotas. Os treinos são na Academia Champion, na Cidade Nova.

Adriana quer mudar a cor da medalha e espera que ela ajude a mudar a conta bancária. “Financeiramente mudou pouco depois de 2012, infelizmente. Pelo que eu fiz pelo meu país, merecia ter algo maior e melhor, principalmente do meu estado. Espero que haja essa mudança em 2016”.

Falta a vaga 
Apesar dos planos para 2016, Adriana ainda não tem vaga garantida para disputar os Jogos do Rio de Janeiro e vai tentar consegui-la no Mundial de Astana, no Cazaquistão, que será disputado em fevereiro.

Titular da seleção brasileira, ela também pode ser escolhida pela Confederação Brasileira de Boxe (CBB) para ocupar a única vaga automática que o Brasil tem direito no boxe feminino por ser o país-sede dos Jogos Olímpicos.

Adriana, no entanto, nem cogita depender disso.  “Não estou me confiando nessa vaga que o país tem. Nunca me deram nada e não é agora que vão dar. Estou trabalhando duro para conquistar minha vaga. Da mesma forma que aconteceu em 2012, vou usar o Mundial pra isso”, avisa.

Por: Correio

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios *

*

dezessete − 10 =