Home / Destaque / Médicos da rede pública temem pressão para prescrever cloroquina

Médicos da rede pública temem pressão para prescrever cloroquina

Médicos da rede pública em algumas regiões do país se dizem pressionados pela crescente recomendação para que prescrevam a cloroquina a pacientes infectados pela Covid-19. Segundo reportagem da Folha, a pressão pelo uso do medicamento aumentou após a demissão de Nelson Teich do Ministério da Saúde. O ex-ministro deixou a pasta por discordar do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) sobre a prescrição da substância.

Em resposta a essa influência crescente, a Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade (SBMFC) divulgou um documento afirmando que a cloroquina não tem eficácia comprovada contra o coronavírus, além de reforçar com seus profissionais o fato de que eles não são obrigados a prescrever a droga. A entidade representa os médicos que atuam em 47,7 mil equipes de atenção básica no Brasil, sendo 80% delas por meio do Sistema Único de Saúde (SUS).

A recomendação para uso do medicamento cresce mesmo sem estudos completos que corroborem sua eficácia e minimizem os efeitos colaterais, a exemplo de arritmias que já levaram pacientes à morte.

Por: Metro1

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios *

*

18 − 2 =