Home / Destaque / Rui diz que Bolsonaro colocou PF para atuar como milícia do Rio de Janeiro

Rui diz que Bolsonaro colocou PF para atuar como milícia do Rio de Janeiro

Crítico de operações da Polícia Federal com o que chama de “pirotecnia”, o governador da Bahia, Rui Costa (PT), afirmou que corporação ganhou traços da milícia do Rio de Janeiro na gestão do presidente Jair Bolsonaro. Rui não quis avaliar a denúncia contra o governador do Rio, Wilson Witzel (PSC), mas disse que a forma com que a ação foi feita é espetaculosa.

“Não quero julgar erro, se não tem erro, se tem desvio ou não. Toda apuração deve ser feita, mas o que estou analisando são os aspectos e circunstâncias que isso foi feito. Foi capitalizado pela família [do presidente], que tenta transformar instituições públicas em um braço de atuação político-partidária. Atuando da mesma forma que a milícia do Rio atua nas favelas, constrangendo e ameaçando os moradores. É toda uma ordem de crimes que têm como base a ameaça, a população e o constrangimento. Na favela do Rio, ameaça de morte. Na política, ameaça utilizando instrumentos que deveriam ser da República do Brasil para ameaçar as pessoas. Fico muito triste com isso. O Brasil está perdendo o resto de credibilidade que tinha”, afirmou, em entrevista a Mário Kertész, na Rádio Metrópole.

Para Rui Costa, controlar a PF virou um dos objetivos do presidente da República. “Primeiro o presidente disputa, demite um ministro da Justiça dizendo que quer controlar a PF, que não admite que quem esteja lá não passe relatórios ou despache com ele diariamente. Como se a função principal do presidente da República fosse despachar com o chefe da PF, como se o país não tivesse problemas na Saúde, Educação, Infraestrutura, na geração de empregos, na logística e dimensão do país. O presidente só pensa naquilo. Dias depois, troca o ministro, troca as pessoas da PF e dias depois, uma deputada que é conhecida por participar da intimidade da família e do gabinete do ódio, como se tivesse participado da organização disso e elaboração, anuncia. O negócio é tão escrachado que ela dá uma entrevista a uma rádio regional e divulga. Só faltou marcar a data, hora, dia e anunciar tudo”, apontou.

A situação política do país, de acordo com o governador, faz com que o Brasil pareça um “barco à deriva”. “Acho que todos nós brasileiros temos que fazer uma reflexão do quanto nós contribuímos ou não para o país chegar nesse estado. Um estágio de ódio, intolerância e perseguição onde o Brasil é um barco à deriva que afunda a cada dia. É algo inacreditável as pessoas nas imagens. Manifestações de ódio e irracionalidade”.

Por: Metro1

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios *

*

dois × 3 =