Home / Destaque / Kit Covid de Itagi: Governo e Cremeb dizem que cabe aos médicos indicar melhor tratamento

Kit Covid de Itagi: Governo e Cremeb dizem que cabe aos médicos indicar melhor tratamento

Após o município de Itagi, no sudoeste baiano, distribuir um kit com medicamentos, que inclui inclui hidroxicloroquina, ivermectina e azitromicina, para pacientes com sintomas de coronavírus, a Secretaria de Saúde do Estado (Sesab) e o Conselho Regional de Medicina do Estado da Bahia (Cremeb), procurados pelo Metro1, adotaram um tom parecido e defenderam a prescrição médica nas indicações dos remédios.

O Cremeb informou que, “embora ainda não exista medicamento ou tratamento cientificamente comprovados para a prevenção e tratamento da Covid19, o médico tem autonomia para prescrever remédios no modelo chamado “fora da bula” (off-label)”. “Para isso, o médico deve ponderar os riscos e benefícios da droga em cada caso, além da necessidade de ter sempre o consentimento do paciente. Deste modo, entendemos que a distribuição destes medicamentos só deve acontecer com a prescrição médica, respeitando a autonomia do médico e do paciente”, diz.

Já a Sesab esclareceu que “cabem aos médicos, a partir da sua avaliação clínica, indicar os melhores tratamentos”. “Não há recomendações ou protocolos clínicos estabelecidos institucionalmente”, apontou. A secretaria ainda colocou o Instituto Couto Maia como exemplo. De acordo com o governo, lá possui protocolo clínico disponível no site e não utiliza cloroquina, hidroxicloroquina ou ivermectina no tratamento. “Reiteramos que cabe a equipe médica as decisões, tendo como base as evidências científicas e análise clínica”, completa.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) emitiu semana passada uma nota alertando sobre os riscos de tratamentos para o coronavírus que utilizam Ivermectina, medicamento indicado para combate de vermes e parasitas. De acordo com o órgão, não há comprovação científica de que a ivermectina seja efetiva no tratamento da Covid-19. A substância pode causar efeitos colaterais como diarreia, dor abdominal e urticária.

Segundo dados divulgados pela Secretaria de Saúde do Estado (Sesab), até hoje (15) Itagi tem 14 casos da doença, sendo 4 ativos.

Por: Metro1

 

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios *

*

treze − um =