CulturaDestaqueEducaçãoEntretenimentoNotíciasPolítica

Flica valoriza povos originários e traz autores renomados

Edição traz novidades e promete atrair público recorde


Berço do patrimônio histórico, artístico e cultural da Bahia, a cidade de Cachoeira é palco do maior evento literário do Norte/Nordeste e o segundo maior do Brasil. Começou hoje (26) e segue até domingo (29), a 11ª Festa Literária Internacional de Cachoeira – FLICA e o deputado estadual, maior entusiasta da Cultura no Parlamento, Rosemberg Pinto (PT), foi prestigiar esse importante evento.

A Flica é um orgulho para Cachoeira e para a Bahia. Lógico que a meta é superar a edição passada, ampliar ainda mais e, com essa pujança, logo será um marco literário do Brasil. É a grande expectativa de Cachoeira, essa cidade que pulsa história, que pulsa cultura”, vislumbra o parlamentar, parabenizando a organização do evento e o apoio do Governo do Estado da Bahia e de outros atores da iniciativa privadaque, para ele, é de grande relevância para a produção artística literária.

Ainda segundo ele, a Flica é um estímulo à aprendizagem e troca de saberes. “Trazer a nossa juventude para estimular a leitura, as conceituações da cidadania é, sem dúvida alguma, um apoio muito grande para mais uma vez realizar aqui em Cachoeira um evento dessa magnitude”, avalia o parlamentar que também “apadrinhou” a Feira.

Participaram ainda da abertura oficial do evento os secretários estaduais da Educação, Adélia Pinheiro, e da Cultura, Bruno Monteiro, além da primeira-dama do Estado, Tatiana Veloso, da deputada Fabíola Mansur, da prefeita da cidade, Eliana Gonzaga, e de lideranças locais.

A secretária de Educação aproveitou a dinâmica e capilaridade do evento para divulgar a realização das provas do Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb) – que são feitas em todo o país e subsidiam o diagnóstico da Educação Básica brasileira e os fatores que podem interferir no desempenho do estudante, bem como oferecem elementos para a formulação, a reformulação e o monitoramento das políticas públicas. Já o secretário de Cultura, falou sobre o processo de interiorização das políticas públicas.

Flica 2023

Nesta edição, o evento reverencia as Poéticas Afroindígenas. Um convite para toda a família ouvir, reverberar e enaltecer essas histórias dos povos originários, seja na música, literatura, artes plásticas, dança, seja na poesia e noutras mil formas de expressão. A ideia é revisitar conceitos, retornar às raízes da história e constituição genética e literária.

Na beira do Rio Paraguaçu, o coordenador geral da feira, o museólogo Jomar Lima (Cali – Cachoeira Literária), falou da importância da cidade, que foi palco de importantes batalhas pela independência do Brasil na Bahia, em sediar um evento dessa magnitude. “A temática é alusiva à comemoração pelo bicentenário da independência e, valorizar a representatividade desses povos nessa construção, é valorizar a diversidade cultural e religiosa presente no Recôncavo”, descreve.

Dentre as novidades, destaca-se o trabalho da curadoria, que enriqueceu a programação, trazendo autores baianos e nomes importantes da literatura brasileira e internacional para debaterem temas importantes. “Novos espaços também foram criados, como a Casa do Patrimônio, com a apresentação de patrimônios imateriais como cordel, forró, capoeira, baianas de acarajé. No Espaço do Audiovisual, uma nova parceria com a TV Alba”, enumerou a organizadora e jornalista Vanessa Dantas (Fundação Hansen Bahia).

Seguem sendo grandes atrativos para os visitantes, a Fliquinha, voltada ao público infantil; a Tenda Paraguaçu, que abriga os principais debates literários; a Casa dos Autores Baianos, um espaço destinado a lançamentos e exposições de livros de autores e artistas baianos; e a Geração Flica para atrair a juventude conectada e tecnológica. As atividades culminarão no domingo com um grande cortejo repleto de manifestações culturais.

A iniciativa também fomenta a cadeia produtiva do livro, da cultura, do turismo, da economia criativa/solidária, da sustentabilidade, entre outras vertentes. A organização estima a participação de um público superior 100 mil pessoas nos quatro dias de feira.

Vale ressaltar que a FLICA 2023 é uma realização da Fundação Hansen Bahia (FHB) em parceria com a CALI – Cachoeira Literária, a TV ALBA, Prefeitura de Cachoeira, LDM, CNA e patrocínio da ACELEN, Teiú, Bahiagás, Governo do Estado da Bahia, Caixa e Governo Federal.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo